Riding With the Grom: Uma viagem de skate pela costa da Califórnia

Endless Roads 2 - The Island (with Longboard Girls Crew) (Pode 2019).

Anonim

O que é melhor do que uma viagem com seu filho? Um que atinge as luxuosas escavações ao longo da Highway 1 da Califórnia - e todo parque de skate no caminho.

NESTE PONTO, uma viagem ao longo da icônica Highway 1 da Califórnia é quase um clichê de viagem. Mas estou supondo que poucas pessoas abordaram a jornada da maneira como fizemos em fevereiro - de skate. Não, nós não chutamos, empurramos e encostamos as 350 milhas de Los Angeles a Santa Cruz. Mas meu companheiro de viagem era meu filho de 14 anos, Carlos, que estava determinado a experimentar o Estado Dourado da maneira que ele acredita que era para ser experimentado: pulando de skate park para skate park para skate park.

Costa Perdida da Califórnia

Eu não ousaria colocar os pés em uma prancha sozinha. Mas decidi concordar com o plano. Eu pensei que isso poderia me ajudar a entender melhor o meu filho. Os lugares onde ele floresce - atrás de uma bateria, longe do acampamento, e especialmente no parque de skate - não são lugares que eu possa entrar facilmente. Estar na estrada, eu esperava, tornaria mais fácil a conexão. O fato de que estaríamos dirigindo um elegante conversível Audi S5 Cabriolet só amenizava o negócio.

Começamos no parque de skate de Venice Beach - um dos melhores do mundo, me contou Carlos - entre o calçadão e a areia. Carlos saltou para a direita. Sentei-me ao lado e vi meu filho navegar pela cena. No começo, parecia um caos. Mas conforme as horas passavam, notei um código de conduta não dito. Espere sua vez. Não caia enquanto outra pessoa estiver na tigela. Quando alguém acertar um truque legal, bata a parte inferior de sua prancha contra o concreto em agradecimento. Eu podia ver porque o skate era tão atraente para Carlos, um menino que sempre se sentiu um pouco à deriva. Cumpra as regras do parque, e você está dentro

A melhor viagem de carro da família cross-country

Fazendo o nosso caminho para o norte, planejamos nossos dias andando de skate. Em Santa Bárbara, fomos direto para o Skater's Point. No dia seguinte, a caminho do Hearst Castle, fizemos um desvio sinuoso para o interior da Floresta Nacional de Los Padres até a pequena cidade de Orcutt - só para conferir a One Way Board Shop. Depois que Carlos comprou um moletom com capuz e alguns adesivos para sua prancha, o dono nos mandou para um pequeno parque na vizinha Santa Maria que ficava entre uma concessionária da Honda e uma instalação de armazenamento.

O que a estrada nos deu, percebi, foi o tempo sem distrações. Dentro dos limites do nosso carro pequeno, nós só temos que sair. Depois de uma breve parada para patinar no parque de skate El Estero em Monterey, nos aventuramos ao sul de Big Sur. O garoto estava claramente chateado que haveria um único dia da viagem que não envolvesse patinação. Mas eu me mantive firme, explicando que as praias selvagens e as vistas épicas iriam explodir sua mente de Brooklyn. Dirigimos com a capota abaixada, e logo Carlos desligou o telefone (voluntariamente!) E olhou pela janela. Nós chegamos ao acampamento de Ventana e conferimos em nosso glampsite debaixo das sequóias antes de jantares e assistindo o pôr-do-sol em Nepenthe.

A viagem de 14.500 milhas por cada parque nacional

Na saída de Big Sur, paramos na praia de Pfeiffer, onde Carlos me ensinou a escalar as imponentes formações rochosas, colocando minhas mãos nos penhascos para me agarrar. Eu sabia que ele estava morrendo de vontade de chegar a Santa Cruz - ou, mais especificamente, ao parque de skate Mike Fox. Mas eu também sabia que, neste momento, sob um sol quente com as capas brancas do Pacífico batendo contra a rocha onde nos empoleirávamos, meu filho estava totalmente, totalmente, feliz. E eu também

menu
menu